InicioAtualidadeCalado ‘sacode água do capote’, mas é responsável pela dívida à ARM

Calado ‘sacode água do capote’, mas é responsável pela dívida à ARM

O Grupo do Partido Socialista na Assembleia Municipal do Funchal acusa o presidente da Câmara Municipal, Pedro Calado, de, mais uma vez, estar a enganar os funchalenses, desta feita relativamente às contas da autarquia.

Na sequência das notícias que têm vindo a ser avançadas, primeiro relativamente a uma dívida de 30 milhões de euros, e hoje sobre um alegado prejuízo financeiro de 41 milhões de euros, os socialistas acusam o executivo camarário de distorcer e baralhar a realidade propositadamente para induzir os munícipes em erro.

Andreia Caetano, porta-voz do PS, desmonta a mentira de Pedro Calado ao falar em dívida oculta e “dentro de gavetas”, quando afinal o que está em causa é o contencioso com a Águas e Resíduos da Madeira (ARM), há muito tornado público e do qual o atual edil tinha conhecimento, ou não fosse aquela empresa tutelada pelo Governo Regional do qual o próprio foi vice-presidente.

“A dívida é à ARM, que, como todos já sabemos, aumentou os preços de forma unilateral e ilegal, ou seja, de forma ilegítima e não fundamentada”, o que levou a um processo judicial intentado pela anterior vereação e do qual o próprio Pedro Calado diz não ter desistido. “Dívida não reconhecida é muito diferente de dívida ‘dentro de gavetas’, como o PSD bem conhece”, esclarece, vincando que enquanto vice-presidente do Governo, Calado “tinha perfeito conhecimento da existência destas faturas, porque foi a própria ARM que as emitiu”. Inclusivamente, diz ainda Andreia Caetano, as faturas eram emitidas separadamente (a parte reconhecida da parte não reconhecida), pelo que se esta polémica agora levantada “não é aldrabice, então é incompetência”.

O PS recorda que, na primeira reunião da Assembleia Municipal do Funchal, o presidente da edilidade disse que ia chegar a acordo com a ARM para pagar tudo e até poupar em juros. Mas “parece que também aí estava a mentir”. Por outro lado, se até dezembro de 2021 era pública a dívida de 30 milhões de euros à ARM e, desde então, existem mais 3 milhões já acumulados pelo executivo de Pedro Calado, isso parece dar a entender que o próprio “concorda que não se pague” à referida empresa. Portanto, acrescenta Andreia Caetano, “o buraco de 33 milhões de euros de que fala [Pedro Calado] é uma parte feito por ele próprio”.

Os socialistas acusam o presidente da Câmara de “baralhar tudo propositadamente” e de ter um discurso “errado, incoerente e negligente”, fazendo passar a ideia de que a dívida de 33 milhões de euros é oculta, quando não é, e de falar em 41 milhões de euros, como se acrescessem ao valor supracitado. “Afinal, parece que vai é reconhecer o aumento de preços e fazer aumentar a conta da água dos funchalenses”, denuncia Andreia Caetano, assegurando que o PS irá estar atento e exercerá o seu papel fiscalizador.

A porta-voz do Grupo Municipal do PS sublinha ainda que foi o próprio Pedro Calado, na qualidade de vice-presidente do Governo e com o pelouro das Finanças, que mandou fazer penhoras à Câmara do Funchal, por esta então ser de outra cor política, “porque às do PSD, que devem dinheiro ao Governo, e são muitas, nunca penhorou nada”.

Os socialistas afirmam ainda que, “tentando esconder a dívida de 100 milhões de euros que deixou em 2013, Pedro Calado tem vindo a construir uma narrativa completamente ficcional que, daqui a uns dias, culpará os executivos entre 2013 e 2021 de terem usado os “Swaps” que ele usou, levando o município a perder 1 milhão de euros, ou até de terem sido eles a criar a dívida de 100 milhões que ele próprio deixou”.

X