Atualidade

PS aponta que PRR revela "falta de solidariedade" do Governo Regional com as Autarquias
19.02.2021

PS aponta que PRR revela "falta de solidariedade" do Governo Regional com as Autarquias

O presidente do PS-Madeira promoveu, esta manhã, uma visita ao concelho de Machico onde, acompanhado pelo autarca Ricardo Franco, visitou alguns dos investimentos camarários nas várias freguesias daquele município. No momento, Paulo Cafôfo sublinhou "a falta de solidariedade do Governo Regional para com as autarquias", ao não alocar qualquer verba para o poder local no Plano de Recuperação e Resiliência (PRR).

Em declarações à comunicação social, Paulo Cafôfo destacou o trabalho desenvolvido pelo executivo da Câmara Municipal de Machico, bem como pelos diferentes presidentes de junta, “na dinamização da economia local e para proporcionar maior qualidade de vida aos munícipes”. 

Lembrou que apesar da dívida que herdou do executivo camarário anterior, a equipa liderada por Ricardo Franco “tem feito um esforço na requalificação do concelho”, levado a cabo várias obras de melhoria das acessibilidades rodoviárias e pedonais, bem como na requalificação urbanística, num investimento superior a 700 mil euros.

Por outro lado, Paulo Cafôfo lamentou que estes investimentos “não tenham qualquer apoio por parte do Governo Regional”, reforçando ainda que o Plano de Recuperação e Resiliência é mais um exemplo do desdém com que o Executivo madeirense trata o poder local.

O presidente do PS Madeira referiu ainda que “a Madeira irá receber agora 561 milhões de euros para criar emprego, para dinamizar a economia e para ajudar aqueles que estão socialmente mais expostos”, mas, “infelizmente, o poder local, as autarquias e juntas de freguesia, foram novamente esquecidas”.

“Lamentamos, porque seria uma importante fonte de financiamento para, neste momento em que temos de estar todos a remar para o mesmo lado, poderem as autarquias também dar o seu contributo”, sublinhou.

Paulo Cafôfo deu o exemplo dos Açores e do Continente, onde está destinada uma verba para autarquias e para o tecido empresarial. “Ao contrário do que se passa nos Açores ou a nível continental, em que há uma distribuição destas verbas pelas autarquias, bem como pelo tecido empresarial, cá não acontece”, constatou. “Isso é tanto mais grave, porque, se formos a analisar os números, a Madeira está com uma taxa de desemprego de 10,7%, a mais alta taxa do país, e tivemos uma queda do PIB em 21%, o triplo da queda registada a nível nacional, o que significa que as medidas e as respostas do Governo Regional não estão a surtir o efeito desejado”, expôs.

Paulo Cafôfo disse mesmo que “aquela solidariedade que o Governo Regional exige, e bem, ao Governo da República e à União Europeia não é uma solidariedade que pratique com os municípios”. Nesse sentido, defendeu a descentralização dos apoios do PRR, fazendo-os chegar ao poder local.

Acção Socialista