Para aceder ao programa da Convenção Autárquica clique sobre a imagem.
A Madeira que queremos - Diálogos com Paulo Cafôfo
«O futuro da Madeira começou hoje. Vamos todos arregaçar as mangas!»
A Madeira que queremos - Diálogos com Paulo Cafôfo
«A nossa marca é a proximidade e o envolvimento dos cidadãos, da sociedade civil, na construção de um futuro comum»
A Madeira que queremos - Diálogos com Paulo Cafôfo
«Nós não queremos mudar o poder pelo poder. Temos uma estratégia de desenvolvimento para a Região assente numa agenda social, humanista, progressista, mas que quer, acima de tudo, mudar aquilo que tem sido um paradigma de um governo Regional que tem governado para o partido, tem governado para alguns interesses, não tem governado para o coletivo»
A Madeira que queremos - Diálogos com Paulo Cafôfo
«Temos uma Região que não tem petróleo nem diamantes, mas temos as pessoas, pessoas que querem concretizar sonhos, construir o futuro, que são trabalhadoras, empreendedoras e resilientes. É nestas pessoas, na sua educação, que nós devemos apostar, na qualificação da nossa população, porque esse é e será o principal fator de desenvolvimento»
1

APROVADO PACOTE FISCAL QUE DEVOLVE 1,9 MILHÕES ÀS FAMÍLIAS DO FUNCHAL

A Câmara Municipal do Funchal aprovou em reunião do executivo o orçamento fiscal para o próximo ano que inclui, entre outras medidas, a devolução às famílias do concelho de 30% da participação de IRS que cabe ao município relativa a descontos do imposto dos trabalhadores com residência fiscal no Funchal. O que resulta na devolução de 1,9 milhões de euros.

“No comparativo entre os 25 maiores concelhos do país, o Funchal é mesmo a 2ª cidade que mais devolve IRS a nível percentual, só ultrapassada por Lisboa, que devolve 50% da sua receita. Isto demonstra de forma cabal a aposta que o Funchal faz na devolução dos rendimentos às famílias.”, afirma o vice-presidente da autarquia, Miguel Silva Gouveia.

O orçamento contempla ainda a aplicação de uma taxa de 0,5% de derrama sobre os lucros tributáveis das empresas do Funchal, com volume de negócios superior a 150 mil euros, sendo que 44% das empresas estão isentas do pagamento deste imposto. Taxa esta que representa uma receita fiscal de 1,4 milhões de euros. Segundo Miguel Silva Gouveia, “a cobrança que é conseguida serve, por sua vez, para devolver os rendimentos do trabalho às famílias do concelho. A derrama é, assim, um imposto que se correlaciona diretamente com as nossas políticas de justiça social.”

A estas duas medidas junta-se a aplicação de uma taxa de ocupação do espaço público municipal por parte das empresas de telecomunicações.

Para Paulo Cafôfo, este Orçamento “é um documento de inspiração social, nas áreas da educação e da habitação, no combate às assimetrias históricas do Funchal. Garantir oportunidades aos nossos jovens e às nossas famílias é um investimento que, não duvidamos, garantirá os frutos de que precisamos no futuro.”

Aprovado pacote fiscal que devolve 1,9 milhões às famílias do Funchal

Diário de Notícias da Madeira, 30 de outubro

redes sociais

agenda

acção socialista | digital

 

militante

 

Vídeos

 

newsletter

Inscreva-se na nossa newsletter para saber as últimas novidades!