Convenção Autárquica
«O PSD lembrou-se que tem de ganhar eleições e é agora, só neste momento, que estão a trabalhar para isso, enquanto nós estamos a trabalhar desde o primeiro momento pelas pessoas e não nos esquecemos disso»
Convenção Autárquica
«O PS não defende há muito tempo estas medidas que Miguel Albuquerque está a apresentar agora. O PS já executa estas medidas onde é poder. Essa é que é a grande diferença»
A Madeira que queremos - Diálogos com Paulo Cafôfo
«O futuro da Madeira começou hoje. Vamos todos arregaçar as mangas!»
A Madeira que queremos - Diálogos com Paulo Cafôfo
«A nossa marca é a proximidade e o envolvimento dos cidadãos, da sociedade civil, na construção de um futuro comum»
A Madeira que queremos - Diálogos com Paulo Cafôfo
«Nós não queremos mudar o poder pelo poder. Temos uma estratégia de desenvolvimento para a Região assente numa agenda social, humanista, progressista, mas que quer, acima de tudo, mudar aquilo que tem sido um paradigma de um governo Regional que tem governado para o partido, tem governado para alguns interesses, não tem governado para o coletivo»
A Madeira que queremos - Diálogos com Paulo Cafôfo
«Temos uma Região que não tem petróleo nem diamantes, mas temos as pessoas, pessoas que querem concretizar sonhos, construir o futuro, que são trabalhadoras, empreendedoras e resilientes. É nestas pessoas, na sua educação, que nós devemos apostar, na qualificação da nossa população, porque esse é e será o principal fator de desenvolvimento»
1

SUBSÍDIO DE MOBILIDADE PREJUDICA MADEIRENSES

O JM levou a cabo uma simulação onde comparou os custos de viagem para Lisboa com que se deparam Madeirenses e Açorianos tendo em conta os modelos de mobilidade existentes nas duas regiões.

No estudo, deixando de fora os valores das taxas e optando pelos valores mais baixos das classes económica e executiva, a conclusão é que os madeirenses pagam quase sempre mais do que os vizinhos insulares.

Os dados revelam que, após o reembolso, os açorianos pagam sempre os mesmos 134 euros enquanto os madeirenses podem pagar apenas 89 euros (se conseguir uma viagem abaixo dos 400€) mas terá de pagar o diferencial se o valor ficar acima, que é o que muitas vezes acontece.

Tendo em consideração os elevados preços das tarifas existentes especialmente em épocas como o Natal e a Páscoa, e considerando o teto máximo existente na Madeira, os madeirenses saem quase sempre prejudicados.

Numa comparação direta entre o modelo madeirense e aquele que se encontra em vigor nas Canárias, recorrendo aos valores utilizados pelo JM, as conclusões são claras:

Valores JM a 2 de outubro

Figura 1 - Valores JM a 2 de outubro

 

Num voo em classe económica a diferença não seria muito grande apesar de mais baixa. O Residente pagaria 82,25€. No entanto, no caso do voo em Executiva, com uma comparticipação de 75%, o residente pagaria apenas 179,5€ (ao invés dos 404€).

redes sociais

agenda

acção socialista | digital

 

militante

 

Vídeos

 

newsletter

Inscreva-se na nossa newsletter para saber as últimas novidades!