A Madeira que queremos - Diálogos com Paulo Cafôfo
«O futuro da Madeira começou hoje. Vamos todos arregaçar as mangas!»
A Madeira que queremos - Diálogos com Paulo Cafôfo
«A nossa marca é a proximidade e o envolvimento dos cidadãos, da sociedade civil, na construção de um futuro comum»
A Madeira que queremos - Diálogos com Paulo Cafôfo
«Nós não queremos mudar o poder pelo poder. Temos uma estratégia de desenvolvimento para a Região assente numa agenda social, humanista, progressista, mas que quer, acima de tudo, mudar aquilo que tem sido um paradigma de um governo Regional que tem governado para o partido, tem governado para alguns interesses, não tem governado para o coletivo»
A Madeira que queremos - Diálogos com Paulo Cafôfo
«Temos uma Região que não tem petróleo nem diamantes, mas temos as pessoas, pessoas que querem concretizar sonhos, construir o futuro, que são trabalhadoras, empreendedoras e resilientes. É nestas pessoas, na sua educação, que nós devemos apostar, na qualificação da nossa população, porque esse é e será o principal fator de desenvolvimento»
1

AUTONOMIA: UM GRANDE PODER E UMA GRANDE RESPONSABILIDADE

A guerrilha permanente em que vivemos hoje, foi criada por quem governa a Madeira

Os madeirenses e porto-santenses têm muito orgulho naquilo que são e em tudo o que conseguiram pelo próprio pulso.

Desbravámos um território difícil, edificámos estradas, abrimos “furados”, construímos levadas e poios, mas mais do que a conquista física e o domar da orografia, afirmámo-nos como povo que quis ser senhor do seu destino. Esta nossa pretensão foi muitas vezes mal interpretada por parte do poder centralista. O nosso País sempre padeceu de um poder egocêntrico sediado em Lisboa, que nos votou ao esquecimento e a um atraso estrutural durante vários séculos.

Nunca foi fácil a nossa relação, primeiro com o Reino, depois com a República, mas a verdade é que a Madeira, e também os Açores, deram e dão muito a Portugal, e o nosso país não teria a dimensão geográfica e política que tem se não fossem os dois arquipélagos. O País sempre ganhou connosco, seja a nível económico e produtivo, com aquilo que ao longo dos séculos daqui foi exportado para outras latitudes, diga-se que sem a devida compensação, seja a nível geoestratégico. Portugal sempre foi mais país com os Arquipélagos Atlânticos.

Não haja dúvidas de que nos sentimos portugueses e de que somos parte inalienável da identidade nacional, mas as características do nosso território moldaram-nos como povo e conferiram-nos particularidades económicas, sociais e culturais muito próprias. Também não haja dúvidas de que foi somente com a Autonomia que chegou o progresso e o bem-estar à nossa gente.

A Autonomia não é um capricho dos madeirenses e dos açorianos, nem se reduz às aspirações legítimas de autogoverno. A Autonomia é a resposta mais eficaz a uma realidade intransponível: a insularidade. O processo autonómico é uma conquista evolutiva, e apesar de ainda não termos alcançado o ponto de chegada, muitos foram os homens e mulheres que, durante anos a fio, muito fizeram para que aqui chegássemos. Há quem se julgue dono da Autonomia, particularmente alguns barões do PSD, mas a Autonomia é verdadeiramente uma propriedade de todos, porque foi uma conquista de todos, dos políticos aos cidadãos anónimos, da Esquerda à Direita. E se a Autonomia é um dos maiores exemplos de sucesso do Portugal democrático, o futuro da Autonomia depende do que formos capazes de fazer por ela hoje.

Temos uma Autonomia assente em três pilares fundamentais - Constituição da República Portuguesa, Estatuto Político-Administrativo e Lei das Finanças Regionais – e, por isso, não nos podemos resumir a esmolar a caridade da República, mas sim fazer pela vida, e exigir aquilo que temos direito como portugueses que somos, comportando-nos e negociando como tal. Não concebo uma visão da Autonomia que se resume a lamúrias e a uma gritaria do Funchal para Lisboa, que nada resolve e só nos isola, numa postura de mão estendida. Sou orgulhosamente madeirense, mas discordo do orgulhosamente sós, que me faz lembrar outros tempos sombrios.

A guerrilha permanente em que vivemos hoje, foi criada por quem governa a Madeira e não soube politicamente adaptar-se aos novos tempos, e tem dois objetivos: em primeiro lugar, tentar mascarar a incompetência do Governo Regional em resolver os problemas; em segundo lugar, evitar que o PS e este projeto que lidero, possam governar a Região Autónoma no próximo ano. O poder na Madeira está, neste momento, refém de um Partido, que tem um Governo Regional a trabalhar para a sua sobrevivência. A má notícia é que este é um momento com mais de 40 anos; a boa notícia é que este é também o momento de dizer que o poder é dos madeirenses.

A Autonomia é demasiado importante para ser uma arma de arremesso político, e se é preciso que todos a respeitem, também é fundamental que quem a defende se dê ao respeito. Temos de defender a Autonomia com responsabilidade, firmeza e coesão e afirmá-la com uma política de desenvolvimento das pessoas, da sua Educação, das suas competências e das oportunidades que lhes são criadas.

E se é certo que sempre existiram muitos obstáculos e tensão entre Funchal e Lisboa, a verdade é que os Governos da República do Partido Socialista, foram sempre melhores para a Madeira do que os Governos PSD. Foi assim no passado e é assim no presente, sendo disso um exemplo claro a aprovação do novo Hospital da Madeira como Projeto de interesse comum, com a comparticipação de metade dos custos da construção e equipamentos. Assim se mede o respeito pela Autonomia por parte do Estado Central, com menos dialética e mais compromissos cumpridos.

No que diz respeito à defesa da Madeira e do Porto Santo, não pode haver “partidarite” que obstaculize a resolução de problemas e todos somos necessários para os desbloquear. É nisso que me tenho empenhado, em matérias como a alteração do modelo de mobilidade, com um modelo de subsídio semelhante ao das Canárias; na introdução de uma nova companhia na rota Lisboa/Madeira, para aumentar a concorrência e baixar os preços; na aplicação do subsidio de mobilidade ao transporte marítimo, criando-se as condições necessárias para uma operação Ferry via porto de Lisboa; na redução imediata dos juros da dívida, mesmo que o Governo Regional não queira aceitar; ou no apoio com verbas do Orçamento de Estado para os nossos conterrâneos que regressam da Venezuela.

Estas são questões que se colocam à Madeira e são desafios estruturais que temos pela frente, e tenho perfeita consciência da responsabilidade que tenho e da confiança que as pessoas depositam em mim. Pois podem contar comigo para continuar a trabalhar por uma mudança de cultura política, por uma nova geração de investimentos públicos e de relacionamento institucional, e pela afirmação de uma cidadania ativa e participativa. Podem contar comigo para fazer esta Madeira que queremos.

Por Paulo Cafôfo, presidente da Câmara Municipal do Funchal, publicado no Diário de Notícias da Madeira, no dia 04 de Outubro.

redes sociais

acção socialista | digital

 

militante

 

Vídeos

 

newsletter

Inscreva-se na nossa newsletter para saber as últimas novidades!