A Madeira que queremos - Diálogos com Paulo Cafôfo
«O futuro da Madeira começou hoje. Vamos todos arregaçar as mangas!»
A Madeira que queremos - Diálogos com Paulo Cafôfo
«A nossa marca é a proximidade e o envolvimento dos cidadãos, da sociedade civil, na construção de um futuro comum»
A Madeira que queremos - Diálogos com Paulo Cafôfo
«Nós não queremos mudar o poder pelo poder. Temos uma estratégia de desenvolvimento para a Região assente numa agenda social, humanista, progressista, mas que quer, acima de tudo, mudar aquilo que tem sido um paradigma de um governo Regional que tem governado para o partido, tem governado para alguns interesses, não tem governado para o coletivo»
A Madeira que queremos - Diálogos com Paulo Cafôfo
«Temos uma Região que não tem petróleo nem diamantes, mas temos as pessoas, pessoas que querem concretizar sonhos, construir o futuro, que são trabalhadoras, empreendedoras e resilientes. É nestas pessoas, na sua educação, que nós devemos apostar, na qualificação da nossa população, porque esse é e será o principal fator de desenvolvimento»
1

LÍDER DO PS-M LAMENTA AUSÊNCIA DE MIGUEL ALBUQUERQUE NAS COMEMORAÇÕES DOS 600 ANOS DA DESCOBERTA

O presidente do Partido Socialista – Madeira, Emanuel Câmara, o líder do Grupo Parlamentar, Victor Freitas, o vice-presidente do partido Avelino Conceição e a presidente da concelhia do PS do Porto Santo, Teresa Leão, foram, esta sexta-feira, recebidos em audiências pelo diretor regional para a Administração Pública do Porto Santo, Jocelino Velosa, e pelo presidente da Câmara Municipal, Idalino Vasconcelos. 

À saída dos encontros, o líder do PS-M não deixou de assinalar o facto de, esta semana, terem tido início as comemorações dos 600 anos da descoberta do Porto Santo e de o presidente do Governo Regional não ter marcado presença nas mesmas. Emanuel Câmara referiu que o chefe do Executivo madeirense «fala muito que se preocupa com os problemas ligados ao Porto Santo» e depois, na prática, com situações como esta, em que era dignificante o presidente do Governo estar presente na cerimónia, «não teve oportunidade na sua agenda, o que se lamenta profundamente».

Pelo contrário, o PS, numa lógica de pôr o Porto Santo a ser discutido na opinião pública, fez questão de realizar na “ilha dourada” as suas primeiras jornadas parlamentares na nova direção do partido. «Fizemos questão, de uma forma positiva, de escolher o Porto Santo», explicou o responsável, lembrando a condição de dupla insularidade que a ilha vive.

Emanuel Câmara salientou que a questão da mobilidade «é um tema que aflige a todos nós» e «pensamos que esse é um problema que será resolvido». «Temos a mobilidade entre ilhas e entre as ilhas e o Continente, é um dossiê que nos está a preocupar. Sabemos que o princípio da continuidade territorial diz respeito ao Governo da República e, por isso mesmo, estamos atentos, estamos a fazer o nosso esforço», para que chegue a bom termo e haja resultados para os madeirenses e porto-santenses, afirmou.

Depois das reuniões, Emanuel Câmara deu conta que a questão da mobilidade é uma preocupação que também é comum ao diretor regional para a Administração Pública e ao presidente da edilidade, referindo que, para uma ilha, «a mobilidade é fundamental, é estruturante para perspetivar o futuro».

Por isso mesmo, nas jornadas parlamentares do partido, ao longo deste sábado, no Hotel Torre Praia, serão abordadas as temáticas do Turismo e da Coesão Territorial. No caso do Turismo, serão ouvidos hoteleiros e outros agentes ligados ao setor. Quanto ao debate sobre a temática da Coesão Territorial, contará com a participação do secretário de Estado do Desenvolvimento e Coesão, Nelson Souza. Outro orador nas jornadas será também Miguel Sequeira, professor universitário e ex-presidente do Instituto das Florestas e Conservação da Natureza.

redes sociais

acção socialista | digital

 

militante

 

Vídeos

 

newsletter

Inscreva-se na nossa newsletter para saber as últimas novidades!