Convenção Autárquica
«O PSD lembrou-se que tem de ganhar eleições e é agora, só neste momento, que estão a trabalhar para isso, enquanto nós estamos a trabalhar desde o primeiro momento pelas pessoas e não nos esquecemos disso»
Convenção Autárquica
«O PS não defende há muito tempo estas medidas que Miguel Albuquerque está a apresentar agora. O PS já executa estas medidas onde é poder. Essa é que é a grande diferença»
A Madeira que queremos - Diálogos com Paulo Cafôfo
«O futuro da Madeira começou hoje. Vamos todos arregaçar as mangas!»
A Madeira que queremos - Diálogos com Paulo Cafôfo
«A nossa marca é a proximidade e o envolvimento dos cidadãos, da sociedade civil, na construção de um futuro comum»
A Madeira que queremos - Diálogos com Paulo Cafôfo
«Nós não queremos mudar o poder pelo poder. Temos uma estratégia de desenvolvimento para a Região assente numa agenda social, humanista, progressista, mas que quer, acima de tudo, mudar aquilo que tem sido um paradigma de um governo Regional que tem governado para o partido, tem governado para alguns interesses, não tem governado para o coletivo»
A Madeira que queremos - Diálogos com Paulo Cafôfo
«Temos uma Região que não tem petróleo nem diamantes, mas temos as pessoas, pessoas que querem concretizar sonhos, construir o futuro, que são trabalhadoras, empreendedoras e resilientes. É nestas pessoas, na sua educação, que nós devemos apostar, na qualificação da nossa população, porque esse é e será o principal fator de desenvolvimento»
1

ORÇAMENTO PARA 2018 É REGRESSO AO PASSADO

Na intervenção final, na discussão na especialidade do orçamento regional para 2018, o líder do PS-Madeira, Carlos Pereira, afirmou que "o Partido Socialista, bem como os madeirenses e porto-santenses esperavam um novo ciclo político na Madeira. O Orçamento Regional para 2018 revelou que estamos a produzir os mesmos vícios do passado apesar de termos novos protagonistas".

"Este Orçamento é o pior dos três que o actual governo apresentou aos madeirenses, pois não devolve efectivamente rendimento às famílias, nem às empresas", disse Carlos Pereira, referindo que "para construir um projecto de futuro é preciso mudar as políticas jardinistas". 

O líder socialista garantiu que o conjunto de propostas do PS representa uma redução da despesa de 200 milhões de euros e deu como exemplo a redução dos custos das parcerias público-privadas, a cobrança de taxas na operação portuária e as receitas da SDM.

Por seu turno,  lembrou que passaram mais de 900 dias desde que o PSD voltou a ganhar as eleições, mas a prometida renovação nunca chegou.

 

redes sociais

agenda

acção socialista | digital

 

militante

 

Vídeos

 

newsletter

Inscreva-se na nossa newsletter para saber as últimas novidades!