A Madeira que queremos - Diálogos com Paulo Cafôfo
«O futuro da Madeira começou hoje. Vamos todos arregaçar as mangas!»
A Madeira que queremos - Diálogos com Paulo Cafôfo
«A nossa marca é a proximidade e o envolvimento dos cidadãos, da sociedade civil, na construção de um futuro comum»
A Madeira que queremos - Diálogos com Paulo Cafôfo
«Nós não queremos mudar o poder pelo poder. Temos uma estratégia de desenvolvimento para a Região assente numa agenda social, humanista, progressista, mas que quer, acima de tudo, mudar aquilo que tem sido um paradigma de um governo Regional que tem governado para o partido, tem governado para alguns interesses, não tem governado para o coletivo»
A Madeira que queremos - Diálogos com Paulo Cafôfo
«Temos uma Região que não tem petróleo nem diamantes, mas temos as pessoas, pessoas que querem concretizar sonhos, construir o futuro, que são trabalhadoras, empreendedoras e resilientes. É nestas pessoas, na sua educação, que nós devemos apostar, na qualificação da nossa população, porque esse é e será o principal fator de desenvolvimento»
1

CARLOS PEREIRA CRITICA NÚMEROS DO PRODERAM

No debate na especialidade do orçamento e plano para 2018, o presidente do PS-M disse que "os fundos comunitários para a agricultura foram reforçados e permitiram, de alguma maneira, minimizar os efeitos negativos de um quadro negativo que seria, manifestamente, prejudicial para a Madeira, decorrente das políticas do PSD".

Carlos Pereira pediu ao secretário regional de Agricultura e Pescas, Humberto Vasconcelos, que explicasse como "é possível que em 15% do tempo que falta para terminar a execução do quadro comunitário seja possível executar 85% dos fundos". O Governo tem orçamentado 3 milhões de euros destinados a apoiar entidades privadas e autarquias no âmbito do PRODERAM 2020. Trata-se do Programa de Desenvolvimento Rural da Região Autónoma da Madeira para o período 2014-2020 cujos números da execução motivaram criticas do deputado do PS.  "Como é que em 85% do tempo de duração do quadro comunitário para a execução do PRODERAM, o sr. secretário conseguiu executar 13% do tempo que falta para acabar o quadro comunitário", questionou Carlos Pereira, que voltou a perguntar como é que em 15% do tempo que falta para acabar o quadro comunitário se espera executar 87% dos fundos".  

Humberto Vasconcelos havia avançado que a execução do programa rondaria os 55% mas, confrontado com os 15% de Carlos Pereira, acabou por admitir que os 55% corresponde à “taxa de compromisso”.

 

redes sociais

acção socialista | digital

 

militante

 

Vídeos

 

newsletter

Inscreva-se na nossa newsletter para saber as últimas novidades!